top of page
  • Foto do escritorJefferson W. Santos | Ad Astra

Sobre conchas, mares e marés



Reflexões sobre uma gratificante recompensa na lide de ensinar e preparar cidadãos para os desafios do mercado.

Lembro de uma estória que ouvi ainda garoto, de um jovem à beira-mar ocupando-se de recolher conchas ressecadas incrustadas nas areias de uma praia deserta, mas afastadas e longe do alcance das ondas da baixa maré.

Um senhor, com sabedoria estampada nos sulcos de sua face e cabelos grisalhos e ralos, resolveu perguntar o motivo de atividade tão inusitada para ele. Ao que o jovem respondeu: essas conchas estão ressecadas já rachando e estou atirando-as para dentro da maré para que possam se revigorar e serem arrastadas para o mar aberto com o refluxo das águas.

O senhor lhe perguntou qual a diferença que todo aquele trabalho daria ao jovem, ao que ele respondeu: Para ele nenhuma, mas muita para as conchas, pois elas teriam nova chance de se recobrar e contribuir para formar arrecifes e permitir o renascimento da flora e fauna naquela praia abandonada e desértica por aquele motivo.

E quanto a mim? Por que relembrei daquela singela estória?

Ano passado foi-me dado o desafio de ministrar aulas na Disciplina de Administração de Produção e Operações ocasião na qual apenas cinco alunos se matricularam, quase que "na marra", para cumprir conteúdo, posto que a fama da matéria era de ser árdua e "reprovante".

Ao final do semestre logramos êxito onde todos foram aprovados sem necessidade de exames finais para nenhum dos cinco.

Semana passada iniciei a disciplina de Logística Empresarial, outro "fantasma" em função de desempenhos abaixo do esperado em semestres anteriores com outros professores fruto, quem sabe, do cansaço natural de quem passa o dia trabalhando após sair muito cedo de casa. Qual não foi minha surpresa ao saber que teria "apenas" oito alunos incluindo os cinco do semestre anterior. Ou seja, apenas três se aventurariam. Contudo já me sentia feliz por haver 60% de aumento de clientes.

Ontem, já na segunda aula, outra grata surpresa ao deparar-me com treze alunos em sala. Soube que tinha sido após minha intervenção em um evento coletivo defendendo um projeto naquela instituição de "consultoria júnior" embora não entenda absolutamente nada acerca de tal proposta. Apenas repassei exemplos de profissionais egressos de bancos escolares e suas vicissitudes quando entrantes nas organizações e sugerindo ser a "consultoria júnior" uma excelente opção para que estudantes se deparassem com problemas reais nas organizações atendidas e agregassem, por antecipação, valioso conhecimento prático de gestão e suas peculiaridades.

Já em sala, com o fenomenal aumento de 120% em minha clientela, iniciei minha preleção informando que, não obstante a seguir rigorosamente o conteúdo programático, nossas atividades seriam de um consultor construindo e lidando com desafios ombreado a gerentes e supervisores, fatia laboral prevista para atuação no mercado de egressos, em graduação, de faculdades.

Ao final da noite ao entregar o registro de classe na secretaria da Instituição fui informado haver uma intempestiva procura de outros alunos para matrícula na mesma disciplina, ao que a secretária me pediu preparação para atender vinte cidadãos na expectativa de melhor se qualificarem para o mercado.

A rigor, o que apresentei aos treze nada mais foi do que eu havia aplicado e trabalhado junto com os alunos de curso de tecnólogos, em outra instituição, resguardando, claro, a diferenciação entre estes e graduados. De sorte que durante o intervalo (são três horas de aula em uma noite) os alunos divulgaram a metodologia que lhes ofertaria daí o motivo do aumento de interessados.

Na Instituição anterior, à qual não fui reaproveitado, tive a grata oportunidade e honra de servir a cidadãos em busca de competências para concorrer em um mercado denso e incerto. Dei o melhor de mim, como sempre faço em minhas atividades, sobretudo quando se trata de pessoas buscando conhecimentos e qualificação. Emocionei-me ao ser escolhido como professor homenageado.

Também muito me emocionou saber que uma senhora, mãe e trabalhadora, logrou, na mesma instituição, a primeira nota DEZ em sua vida de estudante, e note-se que a matéria era árdua também, Gestão de Armazenagem e Estoques.

Senti-me o jovem recolhendo conchas ressecadas e desacreditadas e recolocando-as na "maré do mercado". Tenho absoluta convicção que os que logram aprovação nas disciplinas que ministro terão sucesso no mercado. Eles comporão corais e arrecifes, absorvendo os impactos das marés e dando guarita a "pequenas e frágeis plantas e peixes" - futuros líderes- enquanto se encorpam para, sozinhos, enfrentarem as ondas deste vasto e incerto mar que é o mercado brasileiro.

Para mim, a quem Deus já proveu várias experiências profissionais e de vida gratificantes, o "arremessar-lhes" de volta à maré não fará qualquer diferença em minha vida ou carreira, posto que hoje ensino por prazer de contribuir, contudo, para meus clientes alunos, tenho a convicção de que é uma inigualável oportunidade.


54 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

DECISÃO

Comentários


bottom of page